Conhecendo as linhas: 2300 / 3200 – Iguais, porém, diferentes

Fonte: Portal Ônibus Paraibanos
Matéria/Texto: Josivandro Avelar
Fotos: Acervo Paraíba Bus Team

Gêmeas bivitelinas. Assim podemos definir 2300 e
3200 como são em relação aos circulares 1500 e 5100 e até mesmo uma com a
outra. Criadas para serem espelhos do itinerário das primeiras circulares, além
de rodarem nos corredores Pedro II e 2 de Fevereiro estabelecendo ligações até
então inexistentes entre o bairro do Valentina e os bairros dos corredores, as
linhas 2300 e 3200 hoje em dia são o único conjunto de circulares de João
Pessoa que atuam em duas empresas diferentes (Transnacional- 3200 e São Jorge-
2300), além de ser a única a atuar nos dois consórcios (Unitrans- 3200 e
Navegantes- 2300) e terem terminais distintos – e ao mesmo tempo distantes – um
do outro (Cristo- 3200 e Valentina 5ºBPM- 2300). Diferente dos Circulares
1500/5100 e 1510/5110, que são operadas cada par por uma empresa e operam de
modo parecido, o 2300/3200 é um conjunto circular bem particular. Além de ser
operado por duas empresas de realidades completamente opostas (e isso mesmo
sendo do mesmo grupo), as diferenças de tratamento das linhas acabam por gerar
comparações e diferenças, de modo que nem parece que as duas linhas operem em
harmonia uma com a outra.  

Vamos entender a história dessas duas linhas tão
importantes, que nasceram como um conjunto circular igual aos outros operados
pela estatal Setusa, mas que acabaram com o passar do tempo virando o par de
circulares mais diferente e peculiar de João Pessoa.
1989-1996: O início

As linhas 2300 e 3200 começaram a circular no dia
21 de janeiro de 1989, um sábado. Junto a elas começaram também a operar as
linhas 601-Bessa e 1001-Bairro das Indústrias/Mandacaru. Os novos veículos
adquiridos para essas linhas eram do modelo monobloco O-365 da Mercedes-Benz.
Para quem estranhou o fato da empresa ter adquirido O-365 após os O-371U adquiridos
após a criação da estatal, isso se deve ao fato dos dois modelos terem sido
lançados no mesmo ano; ambos haviam sido lançados em 1987, e o O-365 (que era
um chassi novo, mas com a carroceria herdada do O-364) saiu de linha em 1989;
logo, esses exemplares da Setusa eram alguns dos últimos veículos desse modelo.

As linhas 2300 e 3200 fariam o itinerário
Mangabeira/Valentina a partir dos corredores 2 e 3, estabelecendo uma ligação
entre os bairros de Valentina e Mangabeira com os corredores 2 de Fevereiro e
Pedro II. Mangabeira já tinha ligação com o corredor 2 por meio da linha 206,
mas o Valentina não. Até hoje essas linhas são as únicas a interligar o
corredor 2 com o Valentina. Também era a primeira ligação do corredor 2 com a
UFPB e o Conjunto dos Bancários.
O principal diferencial do 2300/3200 para o
1500/5100 vai além do fato de trafegar em corredores diferentes uns dos outros.
O 2300/3200 tem o diferencial de passar na Rodoviária, diferente do 1500/5100
onde o 1500 de Jaguaribe vai direto para a Epitácio, e o 5100 da Lagoa vai
direto a Cruz das Armas. Ambas as linhas passariam a seguir pelo Terminal
Rodoviário. Lógico que esse fator implodiu o monopólio da linha 301 sobre o
itinerário, já que tanto uma linha como outra sobrepõem-se ao itinerário da
linha da Transnacional em sua totalidade e em seus sentidos.
1995-2000 A separação e as constantes comparações
começam

Com a crise da Setusa, as linhas circulares
acabaram tendo que se separar duas vezes. Uma delas foi de seu próprio terminal
(à época o terminal era um só para as quatro circulares da Setusa, no Cajueiro
do Geisel). A outra é que cada uma foi para o terminal das áreas correspondente
aos locais onde cada linha tinha maior demanda, o que deveria ser o critério
para o repasse das linhas 1001, 2300 e 3200 para as operadoras particulares
para dar a Setusa o último balão de oxigênio que ainda precisava para
sobreviver. E seria muito pior se ali continuassem. 

Assim, a linha 3200 foi para a Transnacional. Para
a Boa Vista tudo era inédito: ter um Circular e entrar em bairros e corredores
onde nunca esteve antes. As duas foram favorecidas pelo fato de atuarem nas
áreas do Cristo e Valentina, respectivamente, tendo o direito de transferirem
os pontos finais para esses bairros.
Com isso, o terminal do 3200 foi transferido para o
Estádio Almeidão, onde já era a base da linha 204, e o 2300, para o
recém-inaugurado Terminal de Integração do Valentina.
Cada qual trouxe o que de melhor tinha para operar
as linhas. A TN, um lote de Torino GV OF-1618 (0768, 0774, 0775, 0795) e outros
remanejados de outras linhas. Posteriormente foram adicionados os carros 07172
e 07175, do lote posterior ao comprado para a Setusa. A Boa Vista, três Urbanus
VW 16.180 CO (03314, 03324, 03334) e um Ford B-1618 (03344, que diferente dos
VW tinha três portas) comprados de segunda mão de uma empresa de São Paulo (a
qual até hoje não se sabe quem é de fato). Além deles, dois Vitórias
remanejados das linhas de Valentina/Cruz das Armas (03313, 03323 e eventualmente
03343) completaram a frota da linha.
Esses Vitórias “tapa-buraco” do 2300 foram sendo
gradualmente substituídos. Um deles, por um Vitória Scania K112 oriundo da CTC
de Fortaleza, o 03373. O único Padron Rio a operar em JP, prefixo 03362 (mesmo
chassi e mesma origem), também estreou no 2300.

Todos foram substituídos em 1997 por uma carroceria
inédita e emblemática: seis exemplares do Engerauto Transport II, sob chassi
Ford B-1618, adquiridos especificamente para a linha. Os prefixos eram 03316,
03326, 03336, 03346, 03356 e 03366. Alguns deles começaram a revezar com os
Urbanus II VW 16-180 CO (03317, 27, 37, 47, 57) comprados para o 519 meses
depois, mas que costumavam aparecer no 2300 várias vezes.

Em 1998 ela ganha os seus próprios Urbanus II, mas
de um modo diferente: inaugurando o chassi 16-210 CO. Eram os carros 03328 e
03338.
Em 1999, o 2300 recebe mais dois veículos
encarroçados no chassi 16-210 CO, mas dessa vez inaugurando a carroceria Urbanuss,
uma renovação visual bem impactante na Busscar. O 3200 recebe sua segunda
renovação de frota, com os carros 07126, 07129, 07137 e 07139, os quais são
Torino GV Alto OF-1721. Recebe ainda mais dois carros remanejados das linhas
1500 e 5100 que haviam ganhado exemplares desses veículos: 0763 e 0764, Torinos
GV carroceria baixa, mas com o mesmo chassi, comprados um ano antes para as
outras Circulares da empresa, passaram a compor a frota do 3200 junto com os
novos veículos.
Em 2000, recebe um remanejamento, o carro 0705
(ex-513), e um dos dois primeiros ônibus adaptados da empresa, o carro 07184. O
irmão desse carro, o 07160, está na linha 5100. Chegam os Urbanuss 03339,
03349, 03359 e 03369 para a linha 2300, sendo essa a última renovação da Boa
Vista na linha. A empresa havia inaugurado uma nova pintura, trocando os tons
predominantes e completos de laranja pelo branco quase onipresente.
2002: troca de empresa no 2300
O fantasma da crise começou a rondar a garagem da
Boa Vista a partir dessa época. Problemas de atrasos e de manutenção deficiente
começaram a ser um mantra na rotina da Boa Vista. Sem poder fazer renovações
significativas (a última compra de zeros da Boa Vista foi em 2001, e foi só de
dois carros: 03302 e 03312), a empresa volta a trazer seminovos. Trouxe o que
tinha disponível de onde estivesse: ex-Transnacional, ex-RJ, ex-PE. Nisso, a
empresa arrumou dois Torinos GV, dois Alphas, dois Urbanus, e um modelo do qual
todas as empresas da cidade já praticamente haviam se desfeito: um Torino LN.
Só para se ter uma ideia, os Urbanus, 03315 e 03325, eram os ex-0713 e 0716 da
Transnacional. No meio disso tudo, a linha 107-José Américo, operada pela Boa
Vista, foi repassada para a Reunidas.
O balão de oxigênio da Boa Vista não foi suficiente
para tirá-la da crise. Sem condições de salvação, a única saída para a Boa
Vista foi se entregar aos A.Cândido. A empresa foi vendida a administração da
Viação São Jorge em agosto de 2002, sendo envolvidas na transação as linhas do
Valentina, seus terminais e seus veículos.
Inicialmente foram herdados da agora “massa falida”
da empresa 7 Urbanus II, 6 Urbanuss, 4 Engerauto Transport II, 2 Torino GV e 2
Alphas. Aos poucos eles foram sendo substituídos por Torinos GV Altos oriundos
da Nacional de Luxo de Campina Grande, empresa-irmã da São Jorge. Outros carros
e a antiga garagem foram vendidos.
A transição Boa Vista-São Jorge começou no mês
seguinte e foi gradual. A linha 519 entra na São Jorge no dia 7 de setembro de
2002 com os veículos que eram da frota do 104 e 110. Enquanto isso, vários
carros da Boa Vista eram repintados como São Jorge para entrarem em operação
posteriormente com suas cores. À essa altura já era certo que a linha 2300 iria
mudar de empresa pela segunda vez.
E não demorou. No dia 21 de setembro de 2002, a
linha 2300 passa a operar com as cores da São Jorge. A identidade da linha foi
alterada; os carros passaram a rodar com os letreiros “VALENTINA-MANGABEIRA”.
Apesar da alteração de identidade, a população até hoje se refere ao 2300 como Circular.
Tanto que a empresa está recolocando o nome nos letreiros eletrônicos dos
Torinos ex-JAL adquiridos em 2012, mesmo nenhum deles sendo fixo da linha.
A primeira frota do 2300 na São Jorge foi composta
de veículos remanejados da própria empresa (0227, 0228, 0229, 0238, 0244) e
dois herdados da Boa Vista (0268 e 0269). A primeira providência da empresa foi
aumentar a frota de seis para sete veículos, em reflexo da mesma medida tomada
pela Transnacional no 3200 (o 07184 entrava na linha como sétimo veículo).
Anos 2000: renovações em massa
O Viale pode ser considerado um verdadeiro divisor
de águas para o 2300/3200. Em 2002, a linha 3200 recebe da TN seis Viales
OF-1721: 0702, 0708, 07163, 07168, 07173 e 07174. No ano seguinte, a São Jorge
adquire os primeiros veículos 0 Km para o 2300, os carros 0294 e 0295 (0292 e
0293 foram adquiridos para a então linha 519). Só que um desses carros acaba
forçado a sair: em 15 de dezembro de 2003, o carro 0294 tomba na curva do Cuiá,
na saída do Valentina. O acidente deixou 10 feridos leves. Isso força a volta
do carro 0238, que havia saído do 2300, enquanto o carro 0294 é remanejado para
a então linha 502.
Nessa mesma época, entra o carro 07129 no 3200.
Esse Viale de 2003 além de ser o primeiro do lote de Viales fabricados na
Ciferal (os outros até então eram fabricados em Caxias do Sul, no Rio Grande do
Sul), contava com uma catraca de três barras na dianteira. Substituiu o carro
0702 que é direcionado para o 203. No 2300, um modelo é inaugurado no corredor
2: numa compra surpreendente, entram em operação 8 veículos do modelo Apache
Vip I na São Jorge, dos quais quatro são direcionados ao 2300: 0287, 0288, 0289
e 0290. O curioso desses carros é o letreiro numérico vir como auxiliar, e o
número da linha vir depois do nome na vista frontal superior.

Em 2005, entra no 3200 o carro 0751, primeiro
OF-1722 da linha e um dos primeiros da empresa, substituindo o carro 0708
(direcionado para o 208). Ele chega a ficar três meses ausente da linha, mas
retorna. No ano seguinte, mais quatro Viales OF-1722 entram na linha
substituindo os Viales remanescentes da renovação de 2002: entram 07119 e 07188
nas vagas de 07173 e 07174. Esses prefixos seriam os dos outros dois Viale de
2006 substitutos de 07163 e 07168, sendo esses últimos lonados (119 e 188
possuíam vista eletrônica frontal na cor âmbar).

Em 2007, a São Jorge inicia a sua renovação massiva
com veículos usados do Rio de Janeiro, método de renovação até hoje utilizado
pela empresa. Entram na linha um lote de quatro Viale OF-1721 os quais eram
ex-Saens Peña do Rio de Janeiro. Eram os carros 0221, 0275, 0280 e 0291 no
lugar dos Vip I 1721. Os carros eram um ano mais novos que os Apache Vip.
Substituindo o carro 0295, entra o carro 0278, também ex-RJ, só que remanejado
da então linha 502. O Viale é aquele que em 2011 foi incendiado num ataque de
criminosos.
Em 2008, substituindo os Urbanuss, entram os
ex-Verdun 0233 e 0239. Eram os primeiros OF-1722 do 2300. Não ficaram por muito
tempo. Na Transnacional entram os Viales OF-1722 07179 e 07181, os primeiros
com vista lateral eletrônica. O 07181 possuía entrada pela porta dianteira e
substituiu o carro 07184, o qual ficou por quase oito anos como titular da
linha. Havia saído 30 dias antes, e enquanto o 07181 era testado no 517, teve a
vaga coberta pelo 07160, o outro Torino 1999 adaptado que a TN teve.
Em 2009, toda a frota do 2300 é substituída. Entram
no lugar de todos eles aqueles que foram considerados os piores carros da linha
na história dela como São Jorge. Eram os carros 0241, 0250, 0256, 0257, 0258,
0259 e 0260. Todos, Apache Vip I SC OF-1722 de 2005, oriundos da frota
intermunicipal da Transportes Santo Antônio de Duque de Caxias. Eram os últimos
sete veículos de um lote de 11 carros, os quais eram os únicos Vip I que a TSA
tinha.

No mesmo ano, o terminal da linha 2300 – até então
no TIP Valentina – é transferido para o ponto final das linhas 1519 e 5120,
próximo ao 5º Batalhão.
2009-atualmente: as trocas frenéticas continuam – e
as surpresas também
Em 2009, as empresas de ônibus de JP começam a
substituir os Viales pelo Torino 2007. No 3200, entra o carro 0709, primeiro
Torino 2007 do 3200. Substitui o carro 07181, que não ficou nem um ano direito
na linha, indo para o 3510 onde ficaria até 2011. Meses depois entra o segundo
veículo do modelo na linha, o carro 07162 no lugar do 0751, O Viale vai para o
517.

Nos primeiros dias de 2010, é a vez do 2300 receber
o Torino 2007. E entram de cara três veículos: 0218, 0219 e 0220. Eram os primeiros
veículos adaptados do 2300. Uma diferença de 10 anos; enquanto o 3200 junto do
5100 eram as primeiras linhas circulares de JP a receberem adaptados, o 2300
era a última de todas na categoria. Os Torinos substituem os carros 0256, 0259
e 0260.

Em maio, chegam na TN os carros 0701 e 0702, os
primeiros veículos trucados adaptados da empresa. Para surpresa de muita gente,
os carros são direcionados para a linha 3200, substituindo 07119 e 07173. Eram
os primeiros trucados do corredor 2.

Em 2011, um desses trucados sai do 3200 – o carro
0702 é remanejado para o 5204 em troca do 0744, que entra no 3200. Os dois
Viales de 2006 que sobraram na linha são substituídos pelos carros 07128 e
07129, os primeiros com a pintura da Unitrans na linha.
Ainda em 2011, entram na linha mais três usados na
São Jorge: o carro 0267, Torino OF-1722, ex-DC 3.166 da Transportes Santo
Antônio. Com a entrada desse carro, chega ao fim o regime da empresa de colocar
um oitavo carro como reforço do 2300 fazendo metade das viagens, papel o qual
era ocupado pelo carro 0209, Viale OF-1721 ex-Saens Peña (remanejado do 1001).
Também entram no 2300 no mesmo ano, só que cinco
meses depois os carros 0283 e 0284, Viales OF-1722 ex-RJ 181.020 e 181.047 da
Galo Branco. Os dois veículos são os primeiros de vista eletrônica da empresa,
que até então resistia a elas. Além disso, os veículos são os primeiros a
possuírem letreiro auxiliar em João Pessoa. O próprio letreiro da Mobitec
também era inédito na cidade. Foram os únicos nessa configuração adquiridos
pela empresa.

Em outubro de 2011, entra o primeiro veículo
trucado do 2300: o carro 0299, um Viale OF-1721 que era remanejado da linha
1519. Como sobrou no arranjo das vagas para o encaixe dos veículos articulados
do 1519/5120, o 0299 foi direcionado para o 2300.
Desde então, os trucados passaram a ser uma
presença constante mesmo que breve no 2300. Além do trucado fixo, os Viales
OF-1722 e até os Torinos já atuaram como reservas na linha. Na frota de férias,
pelo menos três rodam no 2300 diariamente. Isso se deve ao fato da frota das
linhas 1519/5120 ser reduzida no período.

Em 2012, entra no 3200 o carro 0704, Torino OF-1722
ex-RJ 161.001 da Santo Antônio, substituindo o carro 0709, direcionado para a
TN de Campina sob o prefixo 0729. Era a primeira vez que o 3200 recebia um
veículo usado do Rio de Janeiro (o que para o 2300 já não era mais novidade).
Mas a pequena capacidade do veículo e, por consequência, as constantes
reclamações de superlotação específicas do veículo obrigam a empresa a
retirá-lo da linha. O 0704 sai do 3200 seis meses depois, sendo trocado pelo
07107, um Viale OF-1722 ano 2007 que era do 510, para onde o Torino vai em
troca do Viale. Trocas semelhantes aconteceram no 301 e 1500, onde os Torinos
ex-TSA foram substituídos por veículos mais largos justamente por conta da
capacidade.

Em 11 de março de 2013, a linha 2300 mais uma vez é
a porta de entrada de novidades na São Jorge. Uma das portas de entrada do Apache
Vip I 10 anos atrás, a linha recebe as primeiras quatro unidades do modelo CAIO
Apache Vip II adquiridos usados pela empresa, os quais são oriundos da Viação
Novacap.  Eram também os primeiros veículos usados da empresa a já virem
adaptados para portadores de necessidades especiais. Os carros recebem os
prefixos 0210, 0211, 0212 e 0213, que ocuparam as vagas que eram dos carros
0218, 0267, 0283 e 0284, todos remanejados para a linha 1502.
Com a terceira porta adaptada em uma reformadora no
Rio de Janeiro (as portas traseiras são de Svelto), a linha volta a receber
veículos de três portas após 18 anos sem a presença desse tipo de configuração
na linha (03344, 03373 e 03362 da Boa Vista). Até o momento, é a única linha da
empresa a possuir o modelo, a qual até então só a Santa Maria possuía em sua
frota – e que rodam em linhas do próprio corredor 2, que acabou por concentrar
9 dos 10 Vip II que rodam nessa área. Outros dois Vip II podem entrar na linha
nos próximos dias substituindo os dois Torinos remanescentes – 0219 e 0220.
Deixando para trás o estigma de ter sido a última
Circular a receber veículos adaptados, a linha 2300 é a que possui o maior
número de adaptados dos corredores 2 e 3, com 6 veículos dos 7 que operam na
linha – bem como é a linha que possui o maior número de adaptados da Viação São
Jorge.
2300 e 3200 hoje
As frotas do único conjunto de linhas operado por
duas empresas de dois consórcios diferentes são atualmente compostas pelos
seguintes veículos:
2300-São Jorge-Navegantes:  0210, 0211, 0212, 0213,
0219, 0220 e 0299.

3200-Transnacional-Unitrans: 0701, 0744, 07107,
07128, 07129, 07162, 07179.

5 comentários em “Conhecendo as linhas: 2300 / 3200 – Iguais, porém, diferentes”

  1. A linha 1001 tanbem é circular e tanbem e operada por duas empresas de consorcios diferentes, alem disso a 1001 tanbem tem pontos finais destintos

  2. A 1001, assim como são as 5600/5603/5605, são linhas diamentrais. Como vocês são cientes, elas partem de um determinado local da cidade para um outro ponto, e retornam pelo mesmo caminho.

    Curiosamente, o ponto "x" dessas 4 linhas é o Manaíra Shopping.

    As outras categorias de linhas que temos são: Radiais (101, 202), integracionais (I004, I010), circulares (2300/3200) e semicirculares (5206, 3510).

    Kristofer Oliveira

  3. Boa tarde,

    Na verdade, a linha 1001 é a única diametral da cidade. As linhas 5600, 5603 e 5605 são transversais. A diferença é que a diametral passa pela Área Central, enquanto que as transversais não.

    Paulo Vitor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.