BYD: R$ 200 mi para ônibus elétricos

Fonte:
Automotive Business

Fotos: Thiago Sione


A
chinesa BYD,
especializada na fabricação de baterias, veículos híbridos e elétricos e novas
energias, investirá R$ 200
milhões para construção de sua primeira unidade produtiva na
América Latina. A fábrica
será erguida em Campinas, no interior de São Paulo, e, além de montar ônibus elétricos, baterias de
fosfato de ferro e painéis solares, também abrigará um centro de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para veículos elétricos, baterias, smart grid, energia solar e
iluminação.


O projeto de fábrica, que conta com o apoio da Investe São Paulo, agência
responsável pela atração de empresas, desde março de 2012, foi confirmado na
segunda-feira, 14, durante a assinatura de protocolo de intenções entre a BYD,
que já mantém escritório em São Paulo, e a prefeitura de Campinas.

Segundo o presidente da BYD Brasil, Tyler Li, a fábrica gerará inicialmente 450
postos de trabalho. Será erguida em terreno de 32 mil metros quadrados, sendo
20 mil metros quadrados de área construída. E terá capacidade de produção de
500 a mil ônibus e baterias quando alcançar sua plena operação. “Temos ainda
interesse em fabricar células de baterias e chassis para ônibus elétricos no
Brasil no futuro próximo”, revela Li.

Segundo o presidente mundial da BYD, Wang Chuanfu, a empresa decidiu se
instalar em Campinas ao perceber que a cidade é referência em inovação e
desenvolvimento de tecnologias limpas, assim como a BYD.

O secretário de desenvolvimento econômico, social e turismo de Campinas, Samuel
Rossilho, diz que a sua equipe foi visitar a BYD por duas vezes na China. Ele
ressalta que o Banco de Desenvolvimento da China apoia o projeto, mas não
revela detalhes. “Tenho certeza do elevado potencial da cidade (de Campinas)
para trazer a segunda fase dos investimentos da BYD. Trabalharemos muito para
isto”, indica Rossilho.


A BYD

A BYD tem 180 mil funcionários em 11 parques industriais em toda a China.
Também mantém plantas e escritórios nos Estados Unidos, Europa, Japão, Coréia
do Sul, Índia, Taiwan, Hong Kong e São Paulo. A fábrica de ônibus elétrico de
Campinas será a terceira fora da China, após construção de unidade na
Califórnia nos EUA.

Intitulada a maior fabricante mundial de baterias recarregáveis, a BYD diz que
a busca por criar uma bateria mais segura e sustentável gerou a tecnologia da
bateria de ferro. De acordo com a fabricante, esta não pega fogo, pode ser
utilizada em carros, ônibus, caminhões e sistemas de armazenamento de energia e
é totalmente reciclada.
Atualmente,
milhares de ônibus elétricos já rodam pelo mundo com a bateria de ferro.

No Brasil, a BYD diz que realizou variadas simulações com ônibus elétricos em
diversas cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Palmas, Sorocaba e
Piracicaba.
A
empresa afirma que testes liderados pela C40 Cities & Fundação Clinton, com
financiamento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), apontaram que
das 16 diferentes tecnologias de ônibus avaliadas em quatro cidades da América
Latina (Rio de Janeiro, São Paulo, Santiago e Bogotá), o ônibus elétrico da BYD
teve o melhor desempenho, apresentando redução de 81% no consumo energético e
de 75% no custo operacional, além de apresentar menor custo de manutenção e
poucas adaptações nas garagens.

A BYD promete vender os ônibus elétricos no mercado nacional pelo mesmo preço
do modelo similar a diesel, com o contrato de leasing da bateria a ser pago
pela economia do combustível.

Modelo similar será oferecido para táxis. Sem entrada e sem pagamento pelo
veículo, o taxista pagará o custo do combustível para a BYD, via contrato de
leasing do veículo com bateria e energia inclusas. Assim, a empresa espera
viabilizar a troca de amplas frotas de veículos poluentes para veículos de
emissão zero, sem aumento nos custos dos sistemas de transporte público.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.