TJ-RJ afasta cobrança de taxa a Auto Viação Reginas por uso de terminal rodoviário

Sem constatar disponibilização de espaço para auxiliar o gerenciamento do serviço de transporte, a 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro invalidou auto de infração imposto a Auto Viação Reginas devido à falta de pagamento da taxa pela prestação de serviço de terminal rodoviário em Magé.

O fato gerador da taxa é o uso do terminal rodoviário municipal para embarque e desembarque dos passageiros de veículos de transporte coletivo. A empresa questionava a cobrança e o auto de infração. Segundo ela, seu serviço de embarque e desembarque seria feito em via pública. O fato de haver banheiros públicos nos pontos não os transformaria em terminal rodoviário.

O desembargador Cesar Cury, relator do caso no TJ-RJ, aceitou a tese da defesa. Ele observou que o embarque e desembarque dos passageiros da linha da empresa ocorrem na calçada da via pública, com uma estrutura simples, “não havendo edificação típica ou qualquer estrutura que o caracterize como terminal”.

O magistrado levou em conta a norma brasileira de acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros.

“O acórdão reconhece que os municípios não podem instituir essas taxas a seu bel-prazer, sem que exista efetivamente contrapartida no serviço público prestado. Isso tem sido um instrumento recorrentemente usado pra arrecadar”, destaca Maurício Faro, sócio do BMA Advogados, que atuou como amicus curiae na causa, representando o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários em Duque de Caxias e Magé (Setranduc).

Clique aqui para ler a decisão
Processo 0008385-25.2012.8.19.0029

Fonte: Conjur

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.