Não houve acordo na primeira mesa-redonda entre patrões e empregados das empresas de transporte de João Pessoa

Fonte:
News Comunicação
Fotos: Paulo Rafael Viana /  Divulgação



Não
houve avanços entre patrões e empregados durante a primeira mesa redonda
realizada entre o Sindicato que representa os motoristas, cobradores, fiscais,
mecânicos e demais trabalhadores do transporte coletivo urbano de João Pessoa
com os empresários que atuam nesse setor. A reunião foi realizada na manhã
desta quarta-feira (17), na sede da  Superintendência Regional do Trabalho
na Paraíba, no centro da Capital. A data-base da categoria é no dia 1º de
julho.

Na
ocasião, o presidente do Sindicato dos Motoristas, Antônio de Pádua, apresentou
uma pauta com 34  reivindicações, dentre elas uma proposta de 14% de
reajuste salarial a partir de 1º de julho. O representante do Sindicato
Patronal, Alberto Nascimento, fez uma contra proposta de 4%, que será submetida
à categoria em duas assembleias a serem realizadas nesta quinta-feira (18), às
8 e 18 horas, na sede do Sindicato dos Motoristas, na Avenida Beira Rio.
Segundo
o diretor institucional do Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos
Urbanos da capital (Sintur-JP), Mário Tourinho, essa contra proposta de 4% já
representa um esforço além das condições do setor, tendo em vista o
desequilíbrio econômico-financeiro pelo qual passam todas as empresas de ônibus
da capital, especialmente em face da defasagem tarifária existente.
“A
própria tarifa técnica calculada pela SEMOB quando da última recomposição
tarifária, já acusava um valor de R$ 2,52, enquanto a Prefeitura preferiu ainda
reduzi-lo para R$ 2,45”, argumenta Mário. O representante do Sintur-JP também
chamou a atenção para o fato de cidades similares a João Pessoa, como Aracaju e
Maceió, desde o ano passado terem tarifas maiores que a da capital paraibana.
“Em Aracaju o valor é de R$ 2,70, enquanto que em Maceió – que já era de R$
2,50 – ficou em R$ 2,75 desde começo deste ano”, afirma Mário, mostrando a
defasagem do preço da tarifa de João Pessoa.

A
próxima mesa-redonda deve acontecer após os festejos juninos. Atualmente, os
motoristas da capital recebem uma remuneração de R$ 1. 650,00 mais 23% de
ticket alimentação. A folha de pessoal é o maior custo operacional do sistema
de transporte, seguido das despesas com  combustível.

0 comentário em “Não houve acordo na primeira mesa-redonda entre patrões e empregados das empresas de transporte de João Pessoa”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.