Fetransrio 2014: Mercedes lança ônibus com câmbio automatizado

Fonte:
Automotive Business
Foto: Divulgação


A Mercedes-Benz
escolheu a Fetransrio, feira de transporte público realizada de 5 a 7 de
novembro no Centro de Exposições Riocentro, no Rio de Janeiro (RJ), para
mostrar a opção do ônibus
OF 1724 equipado com câmbio
automatizado MB G 85 com engate hidráulico, cujo
desenvolvimento partiu da equipe de engenheiros da companhia no País em
parceria com a matriz, na Alemanha.

“O Brasil tem um grande papel como coordenador da evolução de nossos ônibus,
concentrando o desenvolvimento de todos os chassis”, destaca Hartmut Scheck,
presidente global da divisão de ônibus do Grupo Daimler.


Com vendas previstas já a partir deste mês, a tecnologia é a aposta da marca
para aumentar a participação deste tipo de ônibus no mercado, que hoje
representa menos de 3% de participação nas vendas totais do segmento urbano.

“Nossa proposta é complementar o portfólio com a oferta de uma solução
alternativa para as necessidades e aplicações diversas. Acredito que esta é uma
tendência próspera, assim como está sendo a suspensão pneumática: esperávamos
entregar 350 unidades em 2014 e até agora já vendemos 900”, revela Ricardo
Silva, diretor geral para ônibus Mercedes-Benz na América Latina.

Com 17 toneladas de PBT, a principal categoria de ônibus no País, o chassi OF
1724 foi desenvolvido para carroçarias de até 13,2 metros de comprimento.
Equipado com motor OM 926 de 7,2 litros, desenvolve 238 cv de potência. A
estimativa é de neste ano sejam vendidas 50 unidades, podendo chegar a 300 ônibus
com câmbio automatizado em 2015, estima Silva.


MULTICOMBUSTÍVEL

A empresa também aproveitou a feira para apresentar o ônibus multicombustível,
com vendas previstas a partir de 2015: “A nossa proposta é oferecer um misto de
tecnologia diesel-gás atraente para o mercado e amigável ao meio ambiente.
Neste momento, estamos em fase de teste de viabilidade com três veículos
rodando no Rio de Janeiro”, conta o executivo.

O desafio, segundo ele, é convencer os clientes sobre as vantagens do produto.
A principal característica é a redução em 10% nas emissões de material
particulado e 5% menos monóxido de carbono em comparação com o diesel mineral,
além de queda de 8% nos gases causadores do efeito estufa. Silva elenca que o
operador pode escolher a proporção que quer usar: “A utilização de gás pode ser
de 60% a 70% em substituição ao diesel, mas pode rodar 100% com diesel, se
assim preferir”. O veículo também está preparado para usar de biodiesel ou
diesel de cana.

Com desenvolvimento no Brasil, que demandou quase quatro anos de pesquisa e
testes, o plano da Mercedes-Benz é tornar o País uma base exportadora do modelo
para mercados onde o gás é de uso comum, como outros países da América Latina,
além de África do Sul, Turquia, Indonésia e algumas cidades da Índia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.