Coluna do Ancelmo Góis: Funcionário da aviação Itapemirim foi mandado ir para casa escondido e sem crachá

Na Coluna do Ancelmo Góis, que é publicada no Jornal O Globo, o colunista divulgou o relato de uma funcionária na noite em que a Ita, empresa aérea do Grupo Itapemirim, decidiu interromper temporariamente as suas operações.

Saiba por que os passageiros da natimorta aviação Itapemirim, que suspendeu as operações às vésperas o fim de ano, ficaram, no primeiro momento, sem contato. A empresa, simplesmente, mandou os funcionários abandonarem rapidamente seus postos às escondidas. Veja o relato em off de uma funcionária:  

“Estava todo mundo trabalhando e, do nada, uma gerente que não estava na base ligou para a nossa liderança e mandou que todo mundo fosse embora, sem crachá, em segurança, aos poucos, sem ninguém perceber. Quem fosse reconhecido por algum passageiro, a instrução era mentir e dizer que se tratava apenas de troca de turno”. 

No mais …. A experiência brasileira mostra, lamentavelmente, que não se deve esperar nenhuma punição  para este tipo de empresário que surra o consumidor.   
  

Millôr dizia que o Brasil é o país onde as tragédias começam com alguém importante dizendo “que tudo será investigado, doa a quem doer” e termina, meses ou anos depois, com um melancólico “nado ficou provado”.

Fonte: Jornal O Globo
Imagem: Edilson Dantas