Transnacional de Campina Grande renova a frota com ônibus 0 km

Fonte:
Portal Ônibus Paraibanos
 
Fotos: JC Barboza

Foram entregues na manhã desta segunda-feira para a Transnacional de Campina
Grande, três unidades do Marcopolo Torino modelo 2007 com motorização
Mercedes-Benz OF-1721 Bluetec 5.

Numerados como 0701, 0704 e 0709, os novos ônibus da empresa campinense possuem
as mesmas configurações dos veículos adquiridos anteriormente pelo Grupo
A.Cândido holding da qual a Transnacional faz parte.

A
renovação faz parte dos 50 novos ônibus prometidos após o recente aumento das
tarifas em Campina Grande e João Pessoa.

6 comentários em “Transnacional de Campina Grande renova a frota com ônibus 0 km”

  1. Certamente muita gente vai procurar este espaço para perguntar porque a aquisição feita pela Transnacional campinense não foi Torino 2014. É costume do Grupo A.Cândido só adquirir um modelo novo da Marcopolo depois de no máximo dois anos, como foi com o Viale (lançado em 1999, adquirido pela empresa em 2001) e com o próprio Torino 2007 (lançado em 2007, adquirido pela empresa em 2009).

    Enquanto isso, outras empresas, como Boa Viagem e Roger (caso do Viale) e Mandacaruense e Marcos da Silva (caso do Torino 2007) se anteciparam a "líder" e adquiriram os respectivos modelos antes dela.

    Era uma coisa esperada desde que a Marcopolo manteve em linha o Torino 2007. Nada surpreendente em se tratando de Grupo A.Cândido.

  2. Uma pena! estava esperando o novo modelo, mas quem sabe a Cruzeiro seja a primeira a adquirir tal modelo 2014! Contudo, espero que essa renovação se estenda as demais empresas, pois está precisando urgente! agora, isso só ocorreria se aquela licitação anunciada pela prefeitura, que parece ficou no papel (me corrijam se eu estiver errado) tivesse ocorrido e novas empresas começassem a atuar em CG, claro, sem pretencer a A.candido

  3. excelente renovacao provavelmente devem atuar na linha 077 cinza a queridinha das empresas que nela operem.
    Espero que as outras empresas de campina se inspirem e renovem suas frotas.
    Algumas empresas a algum tempo nao renovam suas frotas
    sao elas a( Sao Jose » idalino transportes e Borborema essas duas empresas estao deixando a desejar no quesito renovaçao.
    outra operadora de campina que esta com a frota bastante sucateada e a Nacional recentemente renovou mas com seminovos. Alem disso foram poucos veiculos adquiridos pela a empresa considerando-se o tamanho de sua frota uma das maiores frota da cidade.

  4. Excelente, não resta dúvida. Substituir ônibus velhos por novos é uma obrigação da empresa e não um favor. A rota 444 em determinados horários, fica praticamente impossível se embarcar nos ônibus. Tanto no terminal de integração como nas paradas. E o ônibus por ser novo, não resolve o problema da superlotação. Argemiro Cândido tentou resolver este problema na rota 333 quando colocou os ônibus trucados. Por serem grandes, oferecem mais lugares aos passageiros diminuindo bastante a superlotação. O que a transnacional deveria fazer, era tomar o mesmo exemplo da nacional colocando ônibus trucados porque são maiores, para tentar resolver o problema da superlotação. O que nos interessa é a solução do problema. ônibus novo é bom mas não resolve. É o mesmo que trocar 12 por uma dúzia. Antes ônibus 2 ou 3 anos mais velhos e que resolva o problema, do que ônibus novo que conserve e continue com o problema. Sem falar que a STTP é conivente com este problema. Num município onde a autoridade municipal prevalece, este tipo de problema quase que inexiste. A única cidade do país onde empresário faz o que quer e entende, infelizmente é Campina Grande – PB.

  5. Por favor senhores empresários. Se os senhores não querem resolver o problema da superlotação porque terão que gastar mais comprando carros maiores, até que entendo. Mas a desculpa em dizer que, as ruas são estreitas, as curvas são fechadas, não dá para circular este tipo de veículo, tenham santa paciência. Isto não cola nem na cabeça do mais puro idiota. Os senhores não querem resolver o problema, para não gastarem mais. Esta é que é a verdade. Ruas estreitas e curvas fechadas, não são problemas. Uma pequena alteração nas rotas para evitar as ruas estritas e as curva muito fechadas, na hora que os senhores solicitarem da STTP que altere as rotas, tenho certeza que a mesma lhes entenderão. Mas os senhores precisam deixar de ser mercenários, e ter um pouco mais de respeito pelos usuários. REPITO: O PROBLEMA NÃO SÃO RUAS ESTREITAS NEM CURVAS FECHADAS. OS SENHORES PRECISAM DEIXAR DE SER MERCENÁRIOS. ESTE É O PROBLEMA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.