Uso correto de EPIs foi tema do penúltimo dia de atividades da SIPAT da Unitrans

Quando as empresas entendem a importância de ações que promovam a saúde e a segurança no trabalho, elas criam ambientes seguros e com condições adequadas para que o trabalhador exerça satisfatoriamente sua função. Agindo sempre assim, a Unitrans trouxe para esta quinta-feira (25), no penúltimo dia de sua Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (SIPAT), a palestra “Uso de EPIs no ambiente de trabalho”. O engenheiro de Segurança do Trabalho, Irlan Targino, falou sobre as obrigações do empregador e do empregado contidas na Norma Regulamentadora – NR 06 e apresentou alguns equipamentos ao público, ressaltando a extrema importância de usá-los conforme suas finalidades.

O engenheiro abriu sua participação na SIPAT explicando o que são Equipamentos de Proteção Individual – EPIs. Ele ressaltou que para além do que próprio nome já diz, é preciso que o trabalhador compreenda que cada EPI é de uso exclusivo, pessoal e intransferível. “Não posso emprestar ao colega”, destacou. Irlan também lembrou que cada EPI é confeccionado para uma proteção específica. “São dimensionados uma atividade, finalidade que a ele se destina a proteger. Não posso pegar uma luva, por exemplo, e usar de apoio para torção de uma peça”, continuou.

Nesse sentido, Irlan Targino separou os equipamentos por grupos de proteção. Ele mostrou os que são de proteção de cabeça (capacete); visão (viseira/óculos); membros superiores – mãos (luvas e creme para proteção química); membros inferiores – pés (botas); vias respiratórias (máscara); assim como citou que também existem os de proteção de tronco (colete) e protetores auditivos.  

Sobre a NR 06, o palestrante frisou que a obrigação do empregador é a de adquirir os EPIs, disponibilizá-los ao trabalhador e orientá-los no uso. Já o trabalhador deve estar atento, principalmente, ao uso correto do equipamento. “Nós funcionários temos um hábito de postergar, não utilizar os EPIs de forma certa por conta de hábitos adquiridos no passado e isso precisa acabar para se ter segurança e saúde no trabalho”, disse ele, lembrando que a NR também coloca como obrigação do empregado a comunicação à empresa de alguma avaria no equipamento para que haja a substituição, além da obrigação do funcionário fazer a limpeza, conservação e a guarda de seu EPI.

Irlan citou algumas funções dentro da Unitrans e relacionou aos EPIs. Botas, por exemplo, precisam ser utilizadas pelo pessoal que circula nas oficinas, lava-jato e no abastecimento. Colete de sinalização deve ser usado pelo pessoal que transita no pátio. A proteção de mãos (luvas) para pintor, lanterneiro, abastecimento e lavador. Nos olhos, a viseira deve ser usada principalmente pelo mecânico, pintor e lanterneiro, assim como as máscaras de proteção respiratória. “Pintor lanterneiro e quem estiver fazendo alguma atividade onde tenha surgimento de neblina ou poeira deve usar”, orientou o engenheiro concluindo com a proteção auditiva para mecânico, moleiro, borracheiro, todos que estão transitando na área de oficina.

Irlan Targino, emgenheiro de segurança explicou a importância dos EPIs (1)

Ao final, Irlan deixou a mensagem de que o foco da Segurança no Trabalho é o acidente zero, a doença zero. Para ele, é preciso lembrar que todos têm sua parcela de responsabilidade na prevenção. “É preciso ter consciência da importância e uso correto desses equipamentos porque estamos lidando com segurança. Foco em acidente zero, doença zero, no trabalho de forma saudável”, concluiu ele.

Fonte: News Comunicação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.